Anúncios !!!


Cat-1

Cat-2

Anúncios!!!


Poesia

ColunaDireita

Catago Vazio2

Coluna Filosofia


ANÚNCIOS!!!


» » Robson Lima: O abUSO das reticências nos textos poéticos

Lendo muitos poemas por todo o Brasil, pois eu tenho o vício de comprar livros de poemas de artistas locais em cada cidade que visito, notei algo digno de um breve, mas importante artigo: o abuso no uso das reticências nos textos poéticos. Então, lá vai mais um artigo no intuito de colaborar com a produção poética brasileira, paranaense e curitibana.

Fotografia de Isabel Furini

O velho jargão e a perigosa armadilha de que em poesia vale tudo muitas vezes leva o autor a se esquecer de que há certas convenções da linguagem que, se subvertidas, devem sê-lo em função de alguma construção estética, do contrário a pretensa subversão se apequena e se transforma em ignomínia. Muitos poetas utilizam as reticências indiscriminadamente por pura falta conhecimento do efeito negativo que elas têm sobre os textos, se mal empregadas, é claro.

Camilo Castelo Branco em seu clássico romance filosófico intitulado “O Que Fazem Mulheres”, publicado em 1858 já ponderava:

“Há reticências que não dizem nada. A literatura merceeira, para justificar o adjetivo, inventou as carreiras de reticências, as quais correspondem aos pesos roubados da mercearia.” (CASTELO BRANCO, 1967, p.89)

Reparem que Camilo afirma que o uso desmedido de reticências rouba da literatura (mercearia) os pesos (valores). Em outras palavras, o uso desvairado de reticências é pura falta de domínio estético da escritura-obra-de-arte. Há um roubo de literariedade quando há exagero no emprego de um recurso expressivo que subtrai palavras, pois a palavra é a matéria prima da Literatura.

Para se subtrair uma palavra de um poema é preciso calcular o “peso” e o efeito estético dessa subtração. O não dito precisa ser tão calculado quanto o que é dito. A linguagem não representa o real, mas, também, não consegue se distanciar dele. Por isso o desvelo com o não dito, com o silêncio.

Podemos afirmar que há dois tipos de silêncios: o silêncio que antecede a palavra, o Fiat Lux do processo criativo, e o silêncio que vem após a palavra, aquele que silencia o que vinha sendo dito. Sendo assim, a palavra que procede do silêncio “é um grito: o que todas as convenções sociais nos ensinaram a calar...” (BARTHES, 1986, p.160.). Já o silêncio que procede da palavra é “a fala de um ausente”. (FREUD, 1974, p. 110.). Portanto entre o grito e a ausência encontramos as reticências. Apesar de o silêncio ser “necessário à significação” (ORLANDI, 2007, p. 45), é preciso saber calar e saber calar requer o equilíbrio entre o silenciar, o não dizer, o subentender e o sugerir.

Por isso escrever em versos não é fazer Literatura. Para se fazer Literatura é preciso calcular o dito, o não dito e o não dito que, em certa medida, é dito. Dada essa circunstância, os que se intitulam poetas podem espernear o quanto quiserem, mas falar em forma de versos jamais foi e jamais será Literatura Obra de Arte. Ponto final.

Sendo assim, vamos ao emprego das reticências na poesia. Eu citaria diversos autores para exemplificar o mau uso desse importante recurso linguístico, afinal há um monte de livros escritos em verso sendo despejados pela cidade, mas opto por criar exemplos, de modo a não expor ninguém. Bem, de forma bastante prática e resumida, podemos dizer que, no poema, as reticências  podem ser usadas:

a) Para indicar a interrupção de uma ideia:
Exemplo:
Quando você me falou...
Não, esquece.

b) Para indicar um desvio na linha do pensamento:
Exemplo:
Eu preciso disso...
Tantos anos esperando.

c) Para sugerir a continuidade daquilo que está sendo dito:
Exemplo:
Eu sei que você sabe... Eu não posso confessar tudo.

d) Para prolongar inflexões exclamativas ou interrogativas:
Exemplo:
A morte não é nada !?...

e) Como recurso melódico para ornamentar uma pausa:
Parece que tudo já passou..., mas o tempo teima em voltar.

f) Para anteceder uma palavra ou expressão no intuído de destaca-la.  
Exemplo:
...O que está me dizendo?

g) E finalmente para marcar inflexões de ordem emocional, tais como hesitação, timidez, dúvida, medo, etc.
Exemplo:
Não sei se devo...
É tarde demais...

Alguns poetas só utilizam as prerrogativas constantes na letra G, mutilando os versos com pausas desnecessárias, que destroem a melodia e inundam a semântica de sentimentalismo de quinta categoria. Reitero que há muitos outros usos das reticências, mas, aqui, utilizei apenas aqueles mais exigidos pelo gênero poema.

Espero que este artigo raro a respeito do tema possa trazer mais segurança a quem se aventurar a utilizar reticências em seus versos. Sempre há os bons profissionais que vão se valer muito do presente artigo para rever sua escrita, seus sons e silêncios. Esses, certamente, pouparão seus leitores dos solavancos quixotescos que o uso desenfreado de reticências pode provocar.
Um abraço a todos, neste caso, sem reticências!

Há um roubo de literariedade quando há exagero no emprego de um recurso expressivo que subtrai palavras, pois a palavra é a matéria prima da Literatura.

Professor Robson Lima

Robson Lima é curitibano, nascido no bairro da Água Verde. É professor de Língua Portuguesa, Literatura, Leitura de Múltiplas Linguagens e um estudioso da poesia paranaense. Autor de livros didáticos, também é Consultor Educacional e Assessor Pedagógico nas áreas de Linguagens e Comunicação, ministrando palestras em todo o território nacional. Poeta, músico, declamador, ator, Crítico Literário e transador de palavras, Robson Lima é um amante dos versos, artes e artemanhas. Autor dos livros Wintervalo (poesia) e Leitura em Movimento: da letra ao letramento. (livro que versa a respeito do aprofundamento da leitura).
Fanpage: www.facebook.com/criticabocamaldita
Contato: minhalinguanatua@hotmail.com ( Língua Portuguesa, é claro!)

REFERÊNCIAS
ALMEIDA, Napoleão Mendes de. 1986. Gramática Metódica da Língua Portuguesa. São Paulo: Saraiva.
AZEREDO, José Carlos S. de. 2009. Gramática Houaiss da língua portuguesa. São Paulo: Publifolha.
BARTHES, R. O Rumor da língua. Lisboa: Edições 70, 1986.
BECHARA, Evanildo. 1982. Moderna Gramática Portuguesa. São Paulo: Cia. Edit. Nacional.
______. 2009. Moderna Gramática Portuguesa. Rio de Janeiro: lucerna/Nova Fronteira.
CAMARA JR., Joaquim Mattoso. 1974. Princípios de Linguística Geral. Rio de Janeiro: Livraria Acadêmica.
CASTELO BRANCO, Camilo. O Que Fazem Mulheres. 8ª ed. Lisboa: Parceria A. M. Pereira, 1967.
CUNHA, Celso Ferreira da. 1970. Gramática do Português Contemporâneo. Belo Horizonte: Bernardo Álvares.
______. 1972. Gramática da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: FAE.
______. 1985. A Questão da Norma Culta Brasileira. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro.
______ & CINTRA, Luís Filipe Lindley. 2008. Nova Gramática do Português Contemporâneo. Rio de Janeiro: Lexicon.

FREUD, S. Além do príncipio do prazer. Psicologia de grupo e outros trabalhos. Rio de Janeiro: Imago, 1974.
HENRIQUES, Claudio Cezar. 1998 “O Cânone Linguístico-Literário na Moderna Gramática Portuguesa, de Evanildo Bechara”. Idioma, 20. Rio de Janeiro: Centro Filológico Clóvis Monteiro/UERJ.
______. 2003a. “O Cânone Linguístico-Literário segundo a Gramática Normativa da Língua Portuguesa, de Carlos Henrique da Rocha Lima”. 
LIMA, Carlos Henrique da Rocha. 1992. Gramática Normativa da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: José Olympio.
LUFT, Celso Pedro. 2009. Moderna Gramática Brasileira. Rio de Janeiro: Globo.
NEVES, Maria Helena Moura. 2000. Gramática de Usos do Português. São Paulo: Unesp.
ORLANDI, Eni Puccinelli. As formas do silêncio. Campinas: Editora da Unicamp, 2007. 
PERINI, Mário. 2010. Gramática do Português Brasileiro. São Paulo: Parábola.






«
Próxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Editor da Revista Carlos Zemek

Curador e Artista Plástico.
Membro da Academia de Cultura de Curitiba - ACCUR.

2 comentários

Robson Lima: O abUSO das reticências nos textos poéticos
  1. Falou com conhecimento. Obrigada pelas explicações. Sou nova na poesia e quase tudo me encanta em matéria de versos. Gosto de rimas, do estilo de Shakespeare, de sonetos, de poemas com temas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezada Neyd Montingelli,

      Algo só tem valor diante de olhos valorosos. Obrigado por seu valoroso olhar sobre o meu artigo. Continue encantada pelos versos e encante o mundo de poesias.

      Cordial e poeticamente,

      Professor Robson Lima

      Excluir



ANÚNCIOS!!!


Eventos Culturais

Conuna1Inferior

Catalogo Vazio3

Anúncios!!!

Livros Digitais