Anúncios !!!


Cat-1

Cat-2

Anúncios!!!


Poesia

ColunaDireita

Catago Vazio2

Coluna Filosofia


ANÚNCIOS!!!


» » Leopoldo Comitti: Poesias



Fotografia de Van Zimerman

Maresias

O vento sopra do mar mais puro e segue.
O areal não se move. Inerte e branco
ergue muros de imobilidade na ardência
das dunas. Paisagem ou reflexão? Talvez ciência.

O olhar passeia sobre o imaginário
e capta cenas, condensações de pensamentos,
recordações, utopias. Emoções de momento
que um fragmento fotográfico eclode
no divagar inquieto das sínteses
estranhas. Nas entranhas da imagem,
dilui a superfície homogênea
e expõe, numa arqueologia íntima
a sedução de uma iminente sedição.

Liberte-se o vento
e se movam as dunas.
Talvez o olhar cego de areia,
Na lua cheia,
possa ver os abismos
que a retina pura não fixa.

Leopoldo Comitti


Fotografia de Van Zimerman


Banal

Um cigarro queima.
Banal. um cigarro queima
no cinzeiro. Onde mais?
Banal. Mas neste exato
momento, exatamente agora,
quero ser banal. Muito banal.

A brasa está quase extinta.
Apenas eu mantenho a luz
que insiste. Também banalmente
se apaga. Acendo outra banalidade
que há de queimar como a primeira.
Sinto-a em mim e me aqueço,
mesmo sabendo da sutil
inutilidade de trocar um mísero,
fino e fraco cigarro
no mesmo cinzeiro sujo
de todos os dias. Banais.

Dentro de alguns minutos,
todos puros e recentes,
tudo transbordará. Cigarros,
cinzas, papéis, o que resta


ainda do mundo (pelo menos
do meu) irá diligentemente
para a lixeira, também já
e sempre transbordante.

Eis o lugar dos restos macerados
da noite (da minha).

Não haverá incêndio.
Os lixeiros farão seu trabalho
e tudo ficará como antes:
asséptico, e novamente,
e tristemente... banal.



Leopoldo Comitti



Hermético

O centro do círculo,
mais que um ponto,
tornou-se o invisível
da espiral eterna.

Apenas pobre átrio
fechado o evoca e retoma
o ciclo infernal
jamais fechado e pronto.




Leopoldo Comitti






Leopoldo Comitti nasceu em Rio Negro, Paraná. Foi professor de Literatura Comparada na Universidade Federal de Ouro Preto. Além de publicações acadêmicas, publicou Jornada (Contos), As Manhas da Filó(Infantil), Fundo Falso (poemas), Por Mares Navegados (poemas, com o qual obteve uma Bolsa de Escritores da Biblioteca Nacional); Jardim Inóspito (poemas, com o qual obteve premiação no IV Festival Universitário de Literatura – Xerox –Livro Aberto), O Menino Debaixo da Mesa (poemas), Natureza Morta (romance) e A Mordida do Cordeiro (poemas). Foi, por duas vezes, jurado do Prêmio Jabuti, na categoria de Romance. Recentemente, fez parte da antologia 101 Poetas Paranaenses.

«
Próxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Editor da Revista Carlos Zemek

Curador e Artista Plástico.
Membro da Academia de Cultura de Curitiba - ACCUR.

Nenhum comentário

Faça um Comentário!



ANÚNCIOS!!!


Eventos Culturais

Conuna1Inferior

Catalogo Vazio3

Anúncios!!!

Livros Digitais