Anúncios !!!


Cat-1

Cat-2

Anúncios!!!


Poesia

ColunaDireita

Catago Vazio2

Coluna Filosofia


ANÚNCIOS!!!


» » Marcio D. Claudino: O sonho de Goya - e outras poesias

                                 

                                        O SONO DE GOYA
                         
                                       "Que ninguém possa jamais esquecer esta noite.
                                       Hoje, tocarei a flauta de minha própria coluna vertebral."
                                                                                               (Vladímir Maiakovski)
 
                                        Sonhei com serpentes mortas
                                        dentes cerrados, ventos distantes
                                        touros de olhos azuis,
                                        festins negros e maré alta.

                                        Quem soprou esses ventos
                                        nas flautas das vértebras
                                        e verteu febre nos dedos
                                        para que compuséssemos vendavais
                                     
                                        e folheássemos o diário de ouro
                                        que o Deus tocou
                                        que só nos fez chorar?

                                        Quem varreu os cílios
                                        com o zoom sorrateiro
                                        da visão do sem nome?
                                     
                                        Quem disse:
                                        – Quem beber dessa água lembrará –
                                        essa é a fonte da memória

                                       Quem disse que era Deus?





                           POEMA PARA COMPREENDER AS ESTRELAS

                            I                                    
                         
                            Eu apenas sei a eternidade
                            dentro da noite quântica do azul profundo,
                            porque dentro do âmago dela

                            a noite de todos os dias, devagar,
                            se apõe, se revela e desce.

                            Elementos para compreensão da noite quântica:

                            A noite quântica no jardim de si é para o infinito.
                            A lua na taça seu cristal.
                            Não precisamos compreendê-la, só senti-la.

                            Estrelas e pétalas nos apontariam.
                            Se elas caem no jardim de si é porque desejamos tanto.

                            Previsão: é possível pressentir que para além do jardim de si
                            são duas noites belas.                                                      
                                                                         
                            II

                            Eu apenas pressinto
                            a chegada daquela a quem amo
                            porque no corpo da noite quântica
                            eu vi a supernova e era mais que uma estrela.

                            Compreensão da chegada daquela a quem amo:

                            Aquela a quem amo deixou-me para sempre esperando por nós.
                            Quando ela  vier, encontrará tudo limpo,
                            o jardim bem cuidado, a casa arrumada, os suspiros
                            e sussurros dos lençóis lavados e uma saudade polida.

                            (Meu destino é ser perfeito em cada gesto quando ela chegar.)

                            Previsão: é possível pressentir que aquela a quem amo já não existe.


Obra da artista plástica Claudia Agustí  (Patagônia, Argentina)

                                       
                            III

                            Eu apenas adivinho o rosto de Clara Anabel
                            porque no cimo da noite imensa
                            a lua é um espelho dentro de mim
                            onde a face dela navega.
                         
                            Elementos para compreensão dos traços de Clara Anabel:

                            O silêncio brinca de luz com margaridas
                            no rosto iluminado de Clara Anabel.
                            De cabelos crepe & cristal
                            ela me mostra o que o seu sorriso será.

                            Gargalham cerejeiras tristes num dia de sol.
                            À meia-lua no ventre da mãe, eu já sabia,
                            só ela sobreviveria. A mim,
                            cabe a tarefa imediata de guiá-la ao mundo.

                            Previsão: é possível pressentir que em mim e além, Clara Anabel gesta.

                            IV

                            Eu apenas pressinto a morte de meu pai
                            porque quando o vi pela última vez
                            eram ternos de augúrio seus olhos e eu bebia as suas palavras.

                            (Eu apenas consigo ver porque
                            caminhamos juntos num silêncio sereno
                            e nos ouvíamos tão alto)

                            Compreensão dos augúrios de meu pai:

                            Logo, o pai não estará mais comigo.
                            Daqui a pouco, o seu olhar se cristalizará, fixo,
                            na noite quântica do azul profundo.

                            Antes que aconteça, ele respira num chão de alfazemas,
                            dorme menos, come pouco, e tem os olhos injetados
                            de uma doçura não tão humana.

                            Meu destino é dar o primeiro beijo
                            em tudo o que ele já viu
                            para abrir os seus olhos mais adiante no ver profundo.

                            Previsão: se o pai deixa de existir eu agora sou o pai.
                       


MARCIO DAVIE CLAUDINO é poeta e dublê de escritor (ghost writer). Premiado e selecionado em diversas antologias, as mais recentes em 2011, “Moradas de Orfeu”, organizada por Marco Vásquez, 20 poetas de cada estado do sul e, em 2014, “101 poetas paranaenses”, organizada por Hamilton Faria. Em 2007 lançou o livro de poemas “O sátiro se retirou para um canto escuro e chorou”, Imprensa Oficial do estado do Paraná e SEEC/PR. Em meados dos anos 90 formou com Adriano Smaniotto e Patrícia Pagu Claudino o grupo de poetas “Intervenção”, a partir de encontros na Feira do Poeta de Curitiba, do Largo da Ordem. Formou-se em Letras pela UFPR onde frequentou o Mestrado em Estudos Literários com estudo sobre a novíssima poesia curitibana. Já trabalhou com literatura e “vezemquando” frilas,  no entanto não vive disso, apesar que gostaria.
«
Próxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Editor da Revista Carlos Zemek

Curador e Artista Plástico.
Membro da Academia de Cultura de Curitiba - ACCUR.

Nenhum comentário

Faça um Comentário!



ANÚNCIOS!!!


Eventos Culturais

Conuna1Inferior

Catalogo Vazio3

Anúncios!!!

Livros Digitais