Anúncios !!!


Cat-1

Cat-2

Anúncios!!!


Poesia

ColunaDireita

Catago Vazio2

Coluna Filosofia


ANÚNCIOS!!!


» » O ator Edwin Luisi entrevistado por Isabel Furini



EDWIN LUISI é formado pela EAD (Escola de Arte Dramática) da USP.
Sua primeira novela foi ‘Camomila e Bem-me-quer’, da saudosa Ivani Ribeiro, produzida pela extinta TV Tupi entre 1972 e 1973.


Ao todo, são mais de 25 novelas de sucesso em sua passagem pela televisão, dentre elas algumas memoráveis como: ‘Escrava Isaura’ (que no ano passado comemorou 40 anos de sua exibição), ‘O Astro’, ‘Sétimo Sentido’, ‘Mulheres de Areia’ e ‘Sinhá Moça’, ambas na Rede Globo, ‘Dona Beija’ e ‘Tocaia Grande’, na extinta TV Machete e ‘Rebelde’ na Record TV.


Atualmente, além de "5 Homens e Um Segredo", o ator ensaia ‘Alair’ comemorando em grande estilo seus 45 anos de carreira. A peça homenageia o fotógrafo Alair Gomes (1921-1992), tem a direção de César Augusto e texto de Gustavo Pinheiro.

Você tem anos de trabalho nas áreas de teatro e Tv., na sua opinião que tipo de personagem exige mais concentração e mais trabalho do ator?

Eu tive a sorte de cursar a Escola de Arte Dramática em São Paulo, que era uma escola bastante séria, e tive a sorte também de no começo da minha carreira trabalhar com diretores extremamente consequentes, sérios, muito conceituados, que me ensinaram algumas lições que eu carrego ao longo da minha vida. Uma delas é ter muito respeito pelo público. É uma das regras básicas pra se fazer teatro. Em consequência desse respeito tudo pra mim passa a ter uma concentração muito grande pra fazer bem o trabalho, tanto na comédia que precisa de uma precisão cirúrgica, quanto no drama que precisa de uma concentração emocional muito grande. Eu fico extremamente concentrado a peça inteira, tanto na comédia, quanto no drama. Isso muito em respeito ao público e também em respeito a mim mesmo como ator.

Você tem sensação de maior liberdade quando trabalha no teatro ou quando trabalha na TV?
Sem sombra de dúvida, é no teatro onde o ator sente maior liberdade porque o espetáculo é dele. Ele ensaia dois meses sob o comando de um diretor e à medida que o pano abre o espetáculo é dele. Ele é dono do seu trabalho, ele é dono do seu desempenho. Na televisão não. Você depende de muitas coisas, né, porque tem a edição, tem a censura interna, o autor que escreve pra você um tipo de papel e no meio do caminho vai pra outra coisa. Você não é dono do teu papel. O público é dono do teu papel, né. As pesquisas de opiniões são donas do teu papel. Então é no teatro, à medida que estreia o ator é totalmente dono. E quando você é dono, você tem essa liberdade de poder achar que o trabalho é teu. Tanto que eu sempre digo que na televisão eu participo, o teatro eu faço.

Na sua opinião, quais são as características mais importantes para o crescimento de um ator de teatro?
Olha, são muitas as características, né. Eu acho que a característica te torna um grande ser humano, antes de mais nada. Você precisa ter uma série de qualidades pra desempenhar bem um papel. Você precisa ter cultura, inteligência, precisa ter muito poder de observação, generosidade, trabalho em equipe. Eu tive a sorte de ter sido atleta antes de ser ator. Então, todas as qualidades que um atleta precisa ter eu joguei para o teatro. É trabalho de grupo, é concentração, disciplina. Mas para o ator especificamente, eu acho que você tendo um grande poder de observação, você tendo inteligência, cultura, sensibilidade, apego ao próximo, respeito, tudo isso faz também de você um ser humano melhor. Eu acho que, quanto mais você cresce como ser humano, você crescerá como ator também.
3. Como foi realizada a escolha dos atores para a peça “5 Homens e um Segredo”?
Olha, essa peça foi comprada por um produtor aqui de São Paulo e Rio de Janeiro pra eu fizesse. Isso faz muito tempo, e eu não podia fazer pelo fato de que estava me engajando em outras peças. Aí, passaram dois anos, eu estava fazendo uma grande viagem quando o produtor falou: ‘ou é agora ou nunca’. Voltei de viagem, eu estava em Quito, no Peru, cheguei e fui ensaiar no mesmo dia. E o elenco já estava pronto. Eu preferia ter ajudado na escolha. Mas deu tudo certo, as pessoas são ótimas, a gente se adora, temos respeito enorme um pelo outro, todos nós nos admiramos, o que é bom. Somos cinco homens, há uma camaradagem masculina muito gostosa, e cada um foi escolhido, acredito, por características do personagem, né. Um teria que ser mais velho, que foi o Pirillo (Roberto) com um tipo de temperamento que servisse pra fazer um padre. O Bonow (Carlos) que é um cara muito grande e forte pra fazer um delegado gay, e assim por diante as coisas foram se encaixando normalmente. Mas quando eu cheguei o elenco estava pronto. Eu que queria ajudar na escolha porque a peça tinha sido comprada pra eu fazer. Enfim, deu tudo certo, estamos há um ano e meio em cartaz e nunca houve sequer um probleminha qualquer que a gente pudesse ficar desgastado uns com os outros. A gente se gosta muito mesmo.
Edwin Luisi e Lucélia Santos -  Escrava Isaura
- FOTO CEDOC TV - Arquivo Internet

Como você resumiria a mensagem da peça “5 Homens e um Segredo”?

Eu acho que seria alguma coisa como: a gente tem que ficar muito atento às necessidades do outro. Por trás de qualquer coisa visível há sempre um drama. A nossa peça é uma grande comédia que tem um drama por trás que é: cinco homens têm um problema que é altamente visível, mas que esconde na verdade um grande drama, porque deve ser muito difícil pra quem tem o que eles têm, quer dizer, você viver a tua vida inteira com um pênis mínimo numa sociedade falocrata onde tantas mulheres acham um grande problema quanto aos homens, é uma coisa extremamente dolorosa, e que a gente tem que aprender a viver com aquilo que tem. É isso que a peça mostra, que apesar de todos os problemas, eles estão todos muito tristes, mas todos saem melhores. Praticamente eles irão aprender a conviver com aquilo que eles têm.

O ator de teatro consegue enxergar seu público. Qual foi a reação do público?

Não sei se você está perguntando no sentido de enxergar fisicamente ou metaforicamente. Fisicamente eu não consigo enxergar o público. Eu consigo ouvi-lo. Fico muito atento em pequenas reações, em risadas, gargalhadas. Estamos falando de uma comédia e eu fico prestando muita atenção com meu ouvido. No drama também, porque o silêncio absoluto do drama faz com que a sua emoção flua melhor ainda. A reação do público à nossa peça tem sido excelente. É um assunto tabu, um assunto que não se fala, porque quem tem o pênis pequeno fica quieto, né. Então, ninguém comenta sobre isso. A gente sempre ouvia falar, algumas mulheres falavam ‘ah, uma vez saí com alguém assim e foi complicado’. Tanto que, quando a gente foi levantar a peça, muitas mulheres vieram até nós para falar sobre isso. A reação do público é estranha. Muito divertida. Eles adoram. Na verdade, o drama que existe por trás da peça é muito grande. Esses homens sofrem. Mas é impressionante o quanto as pessoas se divertem. É claro que se divertem, pois esse drama é tratado como comédia. A gente está muito feliz, pois as reações de todos os lugares que a gente fez a peça são iguais. Todos adoram. Espero que o povo de Curitiba também goste o todo o Brasil inteiro gostou, e o Rio de Janeiro onde a gente ficou um ano e meio em cartaz.

A peça foi muito aplaudida no Rio, mas cada cidade tem características diferentes. Como é apresentar a mesma peça para o público carioca e para o público de Curitiba?

Tradicionalmente a gente já acha que o povo carioca é um pouco mais solto, mais descontraído. E o curitibano é mais sério, mais consequente, com uma educação formal e de criação maior do que o pessoal do Rio de Janeiro. Então, a gente tem certo receio de apresentar sempre uma peça em Curitiba com medo de uma reação fria. Mas eu tenho certeza de que não vai acontecer isso porque já fiz teatro em Curitiba algumas vezes e a reação sempre foi excelente, até por esse grau, esse nível de criação e de cultura melhor do que em alguns outros lugares pelo Brasil afora. Tradicionalmente o povo do Sul, em que faz parte o Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, e São Paulo também, embora seja Sudeste, a educação é um pouco melhor. Quando falo de educação, falo da educação formal. É estudo, é universidade. O povo de Curitiba, eu tenho certeza de que irá entender, pela cultura que ele tem. As pessoas têm mais aptidão à filosofia, à psicologia, então irão entender até melhor a peça do ponto de vista que tem esse drama por trás. A gente tá muito feliz em poder fazer em Curitiba, porque além de estar nessa linda cidade que é de vocês, a gente gosta muito da gastronomia também. E estar junto ao público curitibano sempre é bom. Pelo menos pra mim, todas às vezes eu fui muito bem recebido.

Quais são seus livros preferidos?
Bom... Meus livros preferidos... Eu não vou lhe dizer títulos. Vou dizer o que eu gosto muito. Gosto de romances históricos, biografias históricas, eu gosto de uma boa ficção científica, adoro ler de vez em quando um romance genuíno, aqueles romances tradicionais. Gosto muito de literatura. Sou um ávido leitor.
Adicionar legenda


«
Próxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Editor da Revista Carlos Zemek

Curador e Artista Plástico.
Membro da Academia de Cultura de Curitiba - ACCUR.

1 comentários

O ator Edwin Luisi entrevistado por Isabel Furini
  1. EL ESTILO PERIDÍSTICO DE ISABEL FURINI,QUE COMO YA CONOCEMOS,TAMBIÉN, ES UNA POETA FORMIDABLE Y DE REPERCUCIONES EN LA LÍRICA DE BRASIL,ES UN ESTILO,DIGO,QUE VA MAS ALLÁ DE LA SIMPLE ENTREVISTA:DESENTRAÑA ESE CALOR VIVEMCIAL CASI INTOCADO DE LA CONFIDENCIALIDAD Y CONFIANZA CON SUS ENTREVISTADOS,AHÍ EN SU COLOQUIO CON EL POETA MHARIO LINCOLN,Y AHORA CON EDWIN LUISI,GRAN ESCRITOR ORGULLO DE LAS LETRAS PORTUGUESAS.

    ResponderExcluir



ANÚNCIOS!!!


Eventos Culturais

Conuna1Inferior

Catalogo Vazio3

Anúncios!!!

Livros Digitais